quarta-feira, 15 de março de 2017

Aprendizagens


Com a maturidade fui ganhando outro "calo" e experiência de vida, mas sempre fui uma pessoa algo crédula. Crédula no sentido em que sempre fui um pouco ingénua, acreditando que se tratarmos bem os outros, os outros nos trataram bem de volta.

Cresci rodeada de fortes valores. Tenho orgulho da personalidade dos meus familiares mais próximos, acredito genuinamente que são boas pessoas, incapazes de cometer maldades. A minha mãe é das pessoas mais correctas que conheço, o meu tio sempre foi a minha referência no que toca aos homens e a minha avó era aquele tipo de pessoa que sabia estar em qualquer lugar, sempre serena, sempre educada. Talvez por isso, cresci a acreditar que as pessoas não são más, apenas são afectadas pelas circunstâncias da vida.

Há uns anos isso mudou. Percebi que, de facto, existe gente maldosa 'só porque sim'. Gente que gosta de pisar os outros, 'só porque sim'. Gente que sofre de uma total falta de empatia e que se julga superior, mesmo que claramente não o seja (é o verdadeiro 'o mundo está todo errado e eu é que estou certa/o').

Hoje tive mais uma dessas provas. Não é que precisasse de mais provas, porque a pessoa em questão já tinha provado de que (falta de) fibra era feita. Sinceramente, nesta fase, só me dá é pena. Acredito que quem vive sempre na escuridão, não pode ter luz própria e muito menos sabe lidar com a felicidade dos outros. Existem pessoas que só são 'felizes' quando tentam prejudicar os demais - e esquecem-se sempre de olhar por si abaixo. Apontam o dedo, mas esquecem-se que os outros quatro dedos ficam apontados para si mesmos.

Eu vivo na luz. Graças a Deus e aos meus. Vai daí, a escuridão não me afecta.

26 comentários:

  1. Deixa para lá, infelizmente estamos sempre rodeados de gente maldosa ..

    ResponderEliminar
  2. Olha, eu gente dessa, sabes o que faço? Faço-me de parva, que não percebi...outras vezes deixo-os pensar que sim senhora, eles que têm razão e outras levo logo a "coisa" para a brincadeira, para não verem que me "afetaram"... assim essa gente fica feliz e eu não me chateio muito!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. E que essas escuridao nunca te afete :) uma beijoca

    ResponderEliminar
  4. É pena, é triste, principlamnete quando são pessoas muito próximas. mesmo que façamos o bem, elas não retribuem, porque so destilam veneno. São pessoas pequeninas que acham que o mundo gira à volta delas. Tenho uma pessoa assim bem próxima (familia). Ja fiquei triste, ja fiquei zangada, ja tentei chamar à razão agora simplesmente desisti e tenho pena que não possa ser de outra maneira. Quando só nos dão pontapés, chega a um ponto que nos cansamos de ser "boazinhas".
    Li ontem um frase que dizia "Somos felizes quando nos rodeamos de pessoas do bem", e é bem verdade.

    ResponderEliminar
  5. A vida ensina-nos muitas coisas! A maturidade faz-nos encarar essas mesmas coisas de forma diferente. A nossa felicidade só depende de nós :) Vais ver que a maternidade também te vai mudar. Ignorar quem está de mal com a vida só faz bem!!!

    ResponderEliminar
  6. Eu sou muito desconfiada e demoro muito tempo a gostar de alguém e a sentir-me à vontade com essa pessoa (e quando não gosto, não gosto e nem me dou ao trabalho de disfarçar). A vida ensinou-me assim. Mas continuo a querer acreditar que quem é mau o seja pelas "circunstâncias da vida". Quero muito acreditar nisso =p

    ResponderEliminar
  7. Xô p'ra lá escuridão! ;)

    https://jusajublog.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  8. Mesmo na escuridão há sempre um foco de luz. É neessario encaminhar os olhos para ela
    Kis :=}

    ResponderEliminar
  9. A tua frase final disse tudo! clap clap clap (palminhas!)

    Um beijinho dourado,
    O Biquíni Dourado
    Facebook
    Instagram

    ResponderEliminar
  10. Tão verdade...e o mal que lhes acontece é sempre culpa dos outros...a elas desejo saúde para trabalhar, trabalho para terem suceso, muito sucesso para que nunca se cheguem a mim. Vá de retro coisa ruim!!

    ResponderEliminar
  11. Tenho uma dessas para dar... Se alguem quiser.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já tenho a minha... muito obrigada. ;)

      Eliminar
  12. wow, isto poderia ter sido escrito por mim!

    ResponderEliminar
  13. Desenvolvi, há anos e com algum trabalho, um método para lidar com essas pessoas: primeiro dão-me alguma pena e impressão mas, em 3 segundos e depois de perceber que não as posso ajudar, ignoro-as completamente. Se não me mexerem fisicamente comigo ou com os meus, ou com os meus bens materiais, ignoro com toda a facilidade do mundo. Quase que nem as vejo, mesmo que estejam na mesma sala,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carla Marques, este é um caso dos que tentam afectar-te, mesmo.

      Eliminar
    2. Neste caso não tenho nenhum conselho de jeito para dar porque, quando isso me acontece, ou arranco dentes (dos outros) ou retiro-me para bem longe. É complexo quando nos tentam afetar. Ainda por cima no teu estado, precisas mesmo de muita paz e paciência... Espero que tudo se resolva da melhor forma. Beijinhos

      Eliminar
    3. Carla, esta gentinha não quer saber do "estado de ninguém". Umbiguistas. ;) Enfim!

      Eliminar
    4. É mesmo verdade. Gente desse calibre perturba-se com a felicidade alheia e até o «estado de alguém», como fonte de felicidade que é, apresenta-se-lhes como algo repulsivo que desperta neles a reacção de perseguição, agressão e constante assédio psicológico. Umbiguistas invejosos, incapazes de gerar felicidade por si sós.

      Eliminar
  14. Tenho alguma curiosidade em perceber o que leva as pessoas a agir assim. Porque não consigo perceber o que lhes poderá ir na cabeça para só estarem bem com o mal dos outros. Enfim, tens muita razão no que dizes neste post. Que não te afecte! :)

    ResponderEliminar
  15. Eu não tenho expectativas em relação a pessoa nenhuma. Como nunca espero nada de ninguém, é muito raro alguém me afetar, desiludir-me ou surpreender-me. Nem sequer dou importância a esse tipo de comportamento. Não passam de minhoquices e muitas vezes de pura maldade. E eu vou perder o meu tempo com isso? É que nem pensar, tenho muito mais com que me ocupar. Normalmente quando se apercebem que somos assim e que tricas e maldades não nos afetam, as pessoas acabam por desistir.
    Aprendi-o por conta própria! Demorei a chegar lá, mas cheguei!

    ResponderEliminar
  16. Respirar fundo e seguir enfrente por mais que nos custe... Tenho aberto muito os olhos em relação a pessoas assim. No inicio custa acreditar em certas coisas mas vemos que é um "peso" com o qual não devemos lidar...

    ResponderEliminar
  17. Ora aí está ... e o que podemos fazer ?
    fugir dessa gente o mais que conseguirmos :)))

    ResponderEliminar
  18. http://saldopositivo.cgd.pt/animais-de-estimacao-obrigacoes-legais/

    ResponderEliminar
  19. S*, eu jamais perderia tempo a dedicar estas palavras a pessoas desse calibre. Vivem para perturbar a felicidade dos outros, pelo que devem ficar muito felizes ao ver que, de alguma maneira, o conseguem. Devem adorar esta atenção, o facto de lhes verem ser dedicado um post.

    Velem menos, muito menos do que isso.

    Um beijinho para ti :)

    ResponderEliminar
  20. Gostava de dizer que não, mas a verdade é que quando uma pessoa assim se cruza comigo, estraga-me o dia. Tenho umas assim no trabalho. Não gosto de trabalhar com elas porque sei que em segundos estão a tentar apontar essa escuridão para a tua luz. No fundo são umas INFELIZES com elas mesmas. Por isso perseguem os outros e apontam o dedo a terceiros.

    Este teu texto está muito certinho. E me identifico com o se ser crédula. Infelizmente ainda me afecta todo essa malícia. fico triste e deprimida.

    ResponderEliminar